Planejamento

O programa será gerenciado pela pessoa líder designada pela Federação. A Federação vai determinar em que locais o programa vai ser implementado e quem estará a cargo por cada local. Preferencialmente, o programa será gerenciado por técnicos treinados em cada área (Nível 1 a 3).

É importante que todos os técnicos e professores que lideram o programa em cada local tenham concluído o

programa Rugby Ready

e o

curso de treinamento Get Into Rugby.

Estratégia de participação da Federação

É importante que o programa seja fornecido como parte de uma estratégia de participação global para a Federação crescer e sustentar o jogo em seu país.

Esta estratégia de participação deverá ser preenchida pela Federação liderada pelo Diretor técnico ou Chefe de desenvolvimento trabalhando com treinadores e voluntários da Federação.

O processo deve examinar a filosofia e a abordagem para o jogo da Federação, como ele vai crescer, quais os estágios de desenvolvimento do jogador e caminhos estão na Federação.

Isso deve estar alinhado ao plano de treinamento e educação da Federação, delineando quantos treinadores e delegados de jogo são necessários para apoiar o jogo em seu país.

Recursos úteis estão disponíveis na

seção Downloads

Caminhos do jogador e estágios de desenvolvimento

O programa Get Into Rugby deve ser conectado ao caminho de desenvolvimento de jogador da Federação.

Como garantir que os praticantes recrutados nas fases Tentar e Jogar sejam mantidos na fase Ficar?

A abordagem passo a passo parece funcionar melhor e o exemplo a seguir pode ser adequado a diversos países:

  1. Tomando os caminhos certos nas escolas relacionados ao currículo e ao apoio de clubes locais de destaque. (isso pode ser alcançado formando academias de rugby em escolas e integrando o esporte ao currículo).
  2. Se não houver clubes esportivos importantes ou especificamente de rugby razoavelmente próximos à escola ou projeto comunitário, você deverá estabelecer programas Ficar dentro da escola e auxiliar a entidade regional a estabelecer e desenvolver programas.
  3. Verifique se há vínculo dos clubes e organizações com o modelo de competição da federação.
  4. Certifique-se de que sua federação prevê o crescimento do programa GIR através de recursos tanto locais quanto nacionais.
  5. Se parte da questão for a escassez de treinadores e árbitros com formação adequada para dar suporte ao fomento do programa GIR, verifique se as entidades locais e regionais estão cientes do suporte que o plano de desenvolvimento educacional da federação pode dar a treinadores e árbitros.

Uniões